terça-feira, 12 de novembro de 2013

Peixe ao Molho de Maracujá

Após um período de muitas boas e grandes emoções, postarei minha primeira receita pós casamento!

Aliás, cabe aqui um agradecimento ao pessoal da cafeteria Objeto Encontrado, especialmente à proprietária Bebel (com a pequena Lena) e à barista Carol, por terem mantido nossos convidados animados durante a recepção. 

Nesse contexto, em homenagem ao amor, que tem que ser doce, sem perder o sal e picante com um toque cítrico, essa receita é rica em sabores e não é difícil de fazer.

Peixe ao Molho de Maracujá!!!

Inspire-se!!!


INGREDIENTES (para 2 pessoas):
- 500g de filé de peixe branco sem pele (robalo, pescada amarela, pargo ou qualquer outro peixe macio)
- 4 maracujás azedos (ou aproximadamente 400 ml de suco de maracujá)
- suco de 1 laranja
- 1 cebola cortada em cubinhos
- salsinha a gosto picada
- coentro a gosto picado
- cebolinha a gosto picada
- 1 pimenta dedo-de-moça picada (manter a semente se quiser mais ardido)
- azeite extra virgem
- óleo de girassol
- sal e pimenta-do-reino
- 1 colher de sopa de açúcar mascavo (opcional)


MODO DE FAZER:

Inicialmente, passar a poupa dos maracujás na peneira para retirar o suco até sobrar apenas as sementes. Pode-se acrescentar uma colher de sopa de sementes ao suco de maracujá para dar um charme e uma textura levemente crocante ao molho.


Em uma panela, em fogo alto, refogar a cebola e a pimenta em uma colher de sopa de óleo de girassol e duas colheres de azeite, mexendo até murchar a cebola.


Acrescentar o sal e a pimenta-do-reino a gosto. Em seguida, juntar o suco de maracujá. Neste momento, pode-se acrescentar uma colher de sopa de açúcar mascavo para dar uma equilibrada na acidez do molho.


Em fogo baixo, deixar ferver por 2 minutos e acrescentar a salsinha, a cebolinha e o coentro. Por fim, acrescentar o suco de laranja. Provar o sal e acrescentar mais um pouco, caso necessário. Desligar o fogo e reservar o molho até esfriar.


Temperar o peixe com sal, pimenta do reino e metade do molho de maracujá. Deixar marinando por 10 minutos.


Em seguida, cortar o filé de peixe em pedaços de aproximadamente 10 cm (esse corte pode ser feito antes de marinar). 

Eu gosto de grelhar o peixe na minha chapa de ferro (a mesma usada na receita Camarões, Lula e Legumes na Chapa), mas pode-se fazê-lo em uma frigideira com antiaderente também.

Untar a chapa ou frigideira com azeite e, quando estiver bem aquecida (sem queimar o azeite), colocar o peixe. Deixar por uns 3 minutos em fogo médio-alto. Com a ajuda de uma espátula, virar cada um dos pedaços com cuidado para não quebrar. Baixar o fogo e deixar grelhando por mais uns 5 minutos aproximadamente.


O importante é que o peixe fique dourado por fora, mas macio e úmido por dentro. O tempo de cozimento varia de acordo com altura do filé.


Por fim, basta servir no prato. A outra parte do molho de maracujá (a que não foi usada para marinar o peixe) pode ser servida à temperatura ambiente ou aquecido. Apesar de o prato ficar mais bonito com o molho já servido, prefiro servi-lo à parte, pois cada pessoa pode colocar a quantidade que preferir.


Prontinho! Para a refeição ficar completa, indico um arroz e uma salada.

Bom apetite!!!


DICAS:

a) Para uma refeição mais rápida, não é necessário marinar o peixe no molho. Basta temperá-lo com sal e pimenta-do-reino 5 minutos antes de grelhar. Dessa forma, pode-se usar apenas 2 maracujás para fazer o molho e servir junto ao peixe.

b) Para saber se o peixe não está cru por dentro, basta enfiar um garfo. Se ele entrar facilmente, o peixe está cozido, se oferecer resistência, deixar mais um tempo no fogo. Não usar a espátula para prensar o peixe, pois ele perde a umidade interna e fica ressecado.

c) No caso do prato da foto, usei aspargos frescos para decorar (e comer também!). Eles foram cozidos e grelhados.

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Próxima Receita: Peixe ao Molho de Maracujá

Após um período de muitas boas e grandes emoções, postarei minha primeira receita pós casamento!

Nesse contexto, em homenagem ao amor, que tem que ser doce, sem perder o sal e picante com um toque cítrico, essa receita é rica em sabores e não é difícil de fazer.

Peixe ao Molho de Maracujá!!!

Logo, logo, aqui no Tampopo Gourmet...




segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Saindo do Senso Comum

A postagem de hoje não é uma receita, mas uma reflexão... 

Estamos tão acostumados com o "senso comum" que muitas vezes nos é imposto que esquecemos de abrir os olhos e questionar um pouco mais, não com o olhar de "teoria da conspiração", mas tentando ver além dos mitos criados pela sociedade.

O mais bacana é que nos últimos dias tive a oportunidade de assistir a dois documentários muito interessantes: O Renascimento do Parto (em cartaz nos cinemas) e Muito Além do Peso.

O primeiro (clique aqui para saber onde assistir) trata da essência de nossas origens, um dos processos mais antigos da humanidade, o parto. Antes de tudo, é um filme que fala de amor.

Toda mulher tem direito a escolher o parto mais adequado para si e para seu bebê, mas esse direito não pode ser exercido amplamente se não houver acesso a informações verdadeiras. E são exatamente os mitos que levam a uma cesariana que são abordados nesse documentário, resultante de anos de trabalho da doula Érica de Paula e seu marido, o cinegrafista Eduardo Chauvet.

O parto cesária tem seu lugar (importantíssimo!) e é capaz de salvar muitas vidas, mas o parto normal tem se tornado uma exceção, como se o natural fosse nascer por meio de uma intervenção cirúrgica. O documentário aborda mitos como: bacia estreita, dilatação insuficiente, cordão umbilical enrolado no pescoço, ausência de trabalho de parto, entre outros. É um documentário que vale a pena ser assistido não só apenas por mulheres grávidas, mas por qualquer pessoa que se interesse por saber um pouco mais sobre nós mesmos, pois é o início da vida de todas as pessoas. Como não ficar chocado com as cenas de cirurgia no início do filme? Como não chorar com o depoimento de Andrea Santa Rosa (esposa do ator Márcio Gárcia)? Como não se emocionar com a menina que teve seu sonho roubado? São histórias cheias de sentimento...

O segundo documentário, Muito Além do Peso (clique aqui para assistir), aborda a obesidade infantil, que tem atingindo cada vez mais crianças no Brasil, uma vez que 33% das crianças brasileiras pesam mais do que deviam, e sua relação com os hábitos alimentares impostos pela vida moderna e pelas grandes empresas de guloseimas.

Impossível não parar para pensar na forma como os pais podem contribuir para a alimentação dos filhos quando ouvimos o testemunho da mãe que largou o emprego de gerente de TI no McDonald's por se sentir uma traficante com um viciado dentro de casa, uma vez que sua filha sofria com problemas de obesidade infantil.

Apesar do documentário ser focado na alimentação infantil, ele faz com que os adultos reavaliem sua forma de se alimentar e nutrir, além de ficarem mais atentos às estratégias comerciais para ingestão de alimentos pouco ou nada nutritivos.

Nesse contexto, destaca-se uma nova lei distrital, a Lei nº 5.146, de 21.8.2013, que proíbe a comercialização e a oferta de produtos que possam trazer danos à saúde das crianças e adolescentes matriculados nas escolas de educação básica no Distrito Federal.

Enfim, tenho certeza que não existe um modo perfeito de se viver e de se alimentar, mas acredito que o importante é que cada um busque uma forma de viver que proporcione qualidade de vida, mesmo que para isso tenha que ser um pouco diferente da maioria das pessoas. E viva a diferença!

Já contei um pouco da história da minha mãe (clique aqui) e de como começamos a ter um modo de vida diferente da maioria das pessoas. Nesse caminho, meus pais optaram por um parto normal e domiciliar, em que ele mesmo ajudou minha mãe a parir. Loucura para alguns e coragem para outros, estou aqui com meus 33 anos, inteirinha e feliz.

O que isso tudo tem a ver com gastronomia? Muito mais do que imaginamos...

Assista, reflita e transforme!

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Gelatina de Algas - Sabor Morango

O ágar-ágar é uma substância extraída de algas marinhas, com propriedades terapêuticas, com a qual é possível fazer gelatinas naturais de diversos sabores.

Desde criança, minha mãe faz essa gelatina natural em casa, colorindo a geladeira com diversos sabores: maçã, laranja, limão, feijão azuki (isso mesmo - delícia!), coco e morango, entre outros.

Hoje vou apresentar a receita da gelatina de morango. Sobremesa refrescante!



INGREDIENTES:

- 1 bandeja de morango orgânico (aprox. 300g)
- 300 ml de água
- Aproximadamente 150g de açúcar mascavo
- 1 colher de sopa de ágar-ágar em pó


MODO DE FAZER:

O primeiro passo é lavar bem os morangos em água corrente e, em seguida, deixar de molho em água com vinagre por alguns minutos, deixando para tirar os talos e folhas após essa lavagem. Por fim, cortá-los ao meio.


O próximo passo é fazer o suco de morango, batendo a fruta com a água e o açúcar (adoçar a gosto) no liquidificador. 
Diliuir o águar-águar em um pouco de água fria.
Misturar o suco de morango e o ágar-ágar diluído em uma panela. Deixar no fogo médio e, 1 minuto após levantar fervura, desligar.


Em seguida, basta colocar a gelatina nos potinhos e colocar na geladeira para esfriar mais rápido.


Depois de uns 20 minutos, é hora de saborear!

Bom apetite!!!


DICAS:

a) Para uma gelatina mais durinha, usar um pouco mais de pó de ágar-ágar. Para uma gelatina mais molinha, diminuir a quantidade.

b) Antes de colocar a gelatina no potinho, pode-se colocar um pouco em um pires e colocar no congelador por uns 2 minutos. Retirar e provar. Dessa forma, ainda dá tempo de ligar o fogo de novo e acrescentar um pouco mais de açúcar ou de ágar-ágar diluído.

c) Outra opção bem saborosa é usar rapadura batida (tipo de rapadura temperada) ou radura clara no lugar do açúcar. Para isso, deve-se derreter a rapadura com um pouco de água e, após esfriar, utilizar para adoçar o suco de morango.

d) Pode-se substituir o morango por outras frutas, variando o sabor da gelatina.

e) Para dar uma acidez, pode-se acrescentar o suco de 1 limão ou de 1 laranja um pouco antes de desligar o fogo. Nesse caso, melhor usar 1 e 1/2 colher de sopa de ágar-ágar, pois a acidez diminui a eficiência da alga, deixando a gelatina menos consistente.

f) É importante ficar atento ao tamanho da panela. O ideal é que a quantidade de líquido fique na metade da panela, pois, caso fique muito cheia, ao ferver, o líquido pode derramar pelo fogão. De qualquer forma, o ideal é ficar de olho durante a fervura. Mexer com uma espátula também ajuda.

quarta-feira, 26 de junho de 2013

Vieiras com Shimeji

Vieiras...

Vim a conhecer esse ingrediente há apenas uns 3 anos. Adorei a descoberta!

Quando bem feitas são macias e suaves.

Nessa receita, a textura macia e o sabor levemente adocicado da vieira se contrapõem com o salgado do shoyu e a textura um pouco resistente do shimeji (clique aqui para ver mais dicas sobre o preparo de shimeji). A essa fusão de sensações, adiciona-se um toque de picância e o verde da salsinha.

Apesar de ser um ingrediente caro, as vieiras podem ser compradas em pequenas quantidades, de forma a darem um toque especial à refeição.

Experimentem! 


INGREDIENTES:

- 350g de vieiras candenses
- 1 bandeja de cogumelos do tipo shimeji (aproximadamente 200g)
- 1 pimenta dedo de moça picada em pedaços pequenos (se quiser mais suave, diminuir a quantidade)
- 5 dentes de alho ralados
- 3 colheres de sopa de saquê
- Sal a gosto
- Pimenta-do-reino a gosto
- Óleo de girassol
- Óleo de gergelim
- Shoyu a gosto
- Salsinha picada a gosto

MODO DE FAZER:

Em geral, o ideal é que o shimeji não seja lavado, mas caso não confie na higienização do produto, passá-los rapidamente por água corrente e escorrer bem. Os cogumelos funcionam como esponjas e absorvem muita água. Em seguida, separá-los em tufos menores.


Aquecer uma frigideira, adicionar uma colher de óleo de girassol e uma colher de óleo de gergelim e, em seguida, refogar o shimeji. Colocar uma pitada de sal e mexer de vez enquando. Juntar a pimenta dedo-de-moça picada.


Adicionar 2 colheres de sopa de saquê e, em seguida, shoyu a gosto.


Reservar o cogumelo em um recipiente. Temperar as vieiras com sal, pimenta do reino e alho ralado.


Aquecer novamente a frigideira, untando-a com óleo de girassol. Quando estiver bem quente, colocar as vieiras. Deixe grelhar de um lado por aproximadamente 1 minuto. 


Virá-las e deixá-las mais 1-2 minutos. Acrescentar 1 colher de sobremesa de shoyu.



Juntar os cogumelos grelhados e salpicar com cebolinha picada. Misturar delicadamente e desligar.



Pronto! Uma deliciosa entrada para o seu jantar.

Bom apetite!!!


DICAS:

a) Para ficar mais picante, utilizar as sementes da pimenta. Para ficar mais suave, retirar as sementes e usar apenas metade da pimenta.

b) Em Brasília, não encontro vieiras frescas. Nesse caso, é importante tirá-las com antecedência do congelador e deixá-las descongelando na geladeira.

c) As vieiras possuem um cozimento muito rápido. Caso passe do tempo, elas ficarão ressecadas e borrachudas. O ideal é que fiquem ligeiramente mal passadas por dentro para que terminem de cozinhar com o calor.

d) Caso não tenha o óleo de gergelim, substituí-lo por azeite, o qual também pode ser utilizado para grelhar as vieiras.

sexta-feira, 31 de maio de 2013

Próxima Receita e TOP 10 Tampopo Gourmet

O bacana de escrever um blog é ver o retorno de seus seguidores.

Já encontrei vários conhecidos que dizem que sempre entram no blog, mesmo que seja apenas para olhar as fotos das receitas.

Também recebo fotos de experiências das minhas receitas que alguns seguidores fazem em casa.

A todos os seguidores, meus sinceros agradecimentos!

Hoje eu trouxe as 10 receitas mais acessadas do Tampopo Gourmet no último mês.

E, para deixar um gostinho de quero mais, segue a foto da próxima receita: Vieiras com Shimeji.




Viaje nas 10 receitas mais visitadas do mês:

Bobó de Camarão e Acompanhamentos (clique aqui)




Alho Negro - Como Fazer (clique aqui)



Linguine a La Ira (clique aqui)




Omelete de Ovos Caipiras (clique aqui)



Camarões, Lula e Legumes na Chapa (clique aqui)



Polvo Grelhado (clique aqui)




Arroz Integral Temperado (clique aqui)



Queijo Brie com Mel e Amêndoas  (clique aqui)



Tomatinhos Temperados (clique aqui)


Brownie (clique aqui)

Bom apetite!!!

sábado, 11 de maio de 2013

Um passeio pelo Rio Grande do Norte

Continuando a viagem de férias iniciada na Paraíba (clique aqui), seguimos viagem para o Rio Grande do Norte.

O primeiro ponto de parada foi a Baía Formosa. Ficamos em uma pousada bem bonitinha, de frente para o mar, a La Bonita. A Pousada tem um potencial incrível, só precisa ser mais bem cuidada para ser compatível com o preço cobrado.

Baía Formosa -Vista da varanda do quarto da Pousada La Bonita
Apesar do charme da Pousada, a grande descoberta que ela nos proporcionou foi o nosso guia, o Zé Maria. Essa figura alegre é um guia excelente, além de ator, cantor, contador de história, pescador, velejador, entre outras coisas.

Zé Maria
No primeiro dia de passeio, Zé Maria nos levou para passear pela a Mata Estrela e depois nos levou à praia de Sagi, começando a parte gastronômica do Rio Grande do Norte. Fomos ao restaurante (simples) Nativos e, por indicação de nosso guia, começamos por um pastel de Arraia. Evito frituras, mas dividi um pastel e adorei o tempero e o sabor, ainda mais com uma pimentinha junto. Como prato principal, comemos um delicioso Bobó de Camarão, cuja porção alimenta bem duas pessoas. 

O único problema é que a fome fez com que eu esquecesse de tirar as fotos dessas comidinhas gostosas.

No outro dia, formos velejar na Barra do Cunhaú e depois seguimos para o ponto alto do passeio...

Barra do Cunhaú - Vizinha a Baía Formosa

Saindo da Barra do Cunhaú, Zé Maria nos levou a uma fazenda em que Nêgo, essa figura da foto abaixo, cria camarões e ostras.


Super hospitaleiro, Nêgo nos levou para pegar as ostras no tanque e colher abacaxi. Tudo fresquinho. No caminho, foi contando passagens da história de sua vida que a gente só acredita porque está ouvindo dele mesmo.

A fazenda é muito simples e rústica, mas, talvez por isso mesmo, tivemos um dia maravilhoso. Comemos ostras deliciosas (dá água na boca só de pensar), camarão no alho e óleo, arroz e abacaxi. Nêgo ainda prometeu que, quando retornarmos, ainda comeremos um peixe bem fresquinho. Totalmente fora do roteiro turístico!


No dia seguinte, seguimos viagem para Tibau do Sul, onde tomamos um delicioso caldo de sururu. No ponto de encontro do rio com o mar, onde atravessa uma balsa a todo instante, várias barraquinhas oferecem delícias a um preço ainda razoável (já foi bem mais barato).

O banho nessa praia salobra (mais para salgada) é delicioso. O ponto alto é pôr-do-sol. Além da bela paisagem, ele foi precedido da visita de golfinhos. Eles aparecem por ali quase todos os dias e, muitas vezes, mais de uma vez.


Já em Natal, quem gosta de tapioca não pode deixar de conhecer a Casa de Taipa (Dr. Manoel A B de Araújo, 133 - Ponta Negra). Apesar de não ser barato, são vários sabores de uma tapioca cuja massa é fofa, branquinha, macia e deliciosa. Imperdível! Sempre que vou a Natal, faço pelo menos umarefeição por lá.

Cardápio
Tapioca de camarão com massa de ervas


Por fim, também fomos ao tradicional Camarões Restaurante. Comida farta, preço justo e camarões bem mais graúdos do que o concorrente de Brasília. OK! É injusto comparar, já que lá é tudo mais barato. Vale a pena sair dos pratos tradicionais e pedir Camarão Tailandês. Delícia!

Emfim, a viagem foi excelente! Claro que voltei doida de vontade de comer legumes e verduras...

Aliás, nesse caso, uma boa pedida é o Risoto de Cogumelos com Aspargos Frescos.

Experimente!!!

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Um passeio pela Paraíba

Férias! Dias ensolarados e passeios por lindas praias...

Mas sem deixar a gastronomia de lado!

Em dez dias, conhecemos o litoral sul da Paraíba e a divisa com o Rio Grande do Norte.

Hoje postarei alguns pontos gastronômicos que marcaram na Paraíba.

Mirante de Tambaba/PB

A Paraíba possui belas praias, principalmente em seu litoral sul. A estrutura para turista ainda é pequena, mas está se desenvolvendo.

Um bom exemplo disso é a Praia de Coqueirinho, no litoral sul. Apesar de a melhor parte da praia para banho ser tomada de ambulantes que alugam cadeiras e vendem alimentos duvidosos, a poucos metros, foi inaugurada uma praça de quiosques bem bonitinhos e agradáveis. 

Ao acaso, escolhemos o Quiosque do Genildo. Resultado: comemos bem a um preço justo.

Quiosque do Genildo
Voltando à capital, João Pessoa, tivemos um jantar especial no restaurante NAU (clique aqui). Lugar bonito, bom atendimento e comida gostosa. Bom, mas o preço é um pouquinho mais salgado.

Começamos o jantar com uma deliciosa bruschetta de camarão. Tão gostosa que fez a gente voltar ao restaurante em outro dia.


Ah, vale a pena lembrar de pedir um bom azeite e uma pimentinha da casa...


Como prato principal, pedimos Frutos do Mar na Chapa com legumes. A foto do celular não retrata seu sabor e beleza.



Em um outro dia, durante um passeio pela Barra do Gramame, vi um pescador com um robalo grande na mão. Fresquinho! Fiquei doida para comprá-lo e fazer meu próprio sashimi, mas como estava em um quarto de hotel, tive que ficar na vontade.

Mas tudo tem remédio! A dona da excelente Pousada Vila dos Ventos (clique aqui) indicou o restaurante japonês Ippon (clique aqui). O lugar é um pouco barulhento, mas o sushi estava delicioso!


Por fim, um passeio bem legal foi o pôr-do-sol na Praia do Jacaré. O local possui uma estrutura com vários bares de onde se pode ver esse show da natureza. O único problema é o barulho excessivo desses estabelecimentos. Acho que esse é um momento de introspecção e não de algazarra. 

Por isso, fugimos dos bares e fomos para um pedacinho da margem do rio. Tudo muito lindo! Ao som do Bolero de Ravel. 

Ah, depois disso, fomos dar uma volta na ruazinha de artesanato charmosa que fica na Praia do Jacaré. Ainda fizemos um lanchinho em um Cafeteria/Tapiocaria amarelinha em uma das esquinas da rua. Pena que me esqueci de anotar o nome do lugar...




Com certeza, há muito lugares saborosos para se conhecer por lá, mas esses foram os que eu mais gostei daqueles que fomos.

Na próxima postagem, falearei um pouco das delícias do Rio grande Norte.

Enquanto isso, aproveitem para testar alguma receita do Tampopo!