sábado, 31 de março de 2012

Salada de Harusame

Pouca gente conhece, mas eu adoro esse macarrãozinho transparente...

De sabor suave e textura gelatinosa, fica delicioso em saladas e cozidos!

A Revista Caras explica direitinho no que consiste esse ingrediente ainda pouco comum nas mesas dos brasileiros:

"O harusame é uma massa japonesa. Ele integra um conjunto de massas asiáticas, ou noodles, cuja criação ocorreu no norte da China na dinastia Han (206 a.C a 220 d.C). O processo de secagem, porém, só surgiria na dinastia Yuan (1271-1368 d.C).

Tais massas se tornaram conhecidas e produzidas também no Japão, na Coréia e em países do Sudeste Asiático. De início eram feitas de farinha de trigo, mas depois se passou a produzi-las igualmente de trigo sarraceno, de amido do feijão chinês mung - , o mesmo com o qual se produz brotos -, de amido de arroz, de batata, de batata-doce, de soja ou de cará.

As massas podem ser finas, achatadas, redondas, retas ou enroladas em ninhos. Hoje, o Japão é o país que mais as consome, produzidas tanto de trigo comum e sarraceno quanto de vários tipos de amido. Os noodles harusame (literalmente, "chuva de primavera") são feitos de amido de arroz, de batata, de batata-doce ou, ao estilo chinês, de amido de feijão mung."

O Harusame é uma boa opção para aquelas pessoas intolerantes ao glúten.

Vamos à minha receita predileta com esse tipo de macarrão:


INGREDIENTES:
3 porções de Harusame
1/2 pepino japonês
Conserva de gengibre
2 colheres de sopa de alga wakame seca
Gergelim
2 ovos caipira
1 laranja
Shoyu
Aceto balsâmico
Azeite extravirgem
Óleo de gergelim

MODO DE FAZER:

O Harusame é vendido nesse pacote e vem separado em porções:


Pegar 3 porções e deixar de molho em água fria por aproximadamente 10 minutos.


Ferver 1,5 litro de água em uma panela e jogar o harusame, deixando cozinhar por uns 2 minutos.

Escorrer o harusame em uma peneira ou escorredor de arroz. Enxaguar com água fria. Reservar.

Enquanto isso, deixar a alga wakame de molho em água fria por uns 10 minutos.


Fazer uma omelete fina com dois ovos e uma pitada de sal. Deixar esfriar um pouco e dobrá-la ao meio. Em seguida, cortar em tiras finas, como na foto.


Cortar o pepino e a conserva de gengibre em tiras também.

Tirar a alga da água e cortar em pedaços menores.


Colocar o harusame em uma vasilha, colocando o pepino, a alga e o gengibre por cima.


Em uma outra vasilha, juntar 2 colheres de sopa de azeite, 1 colher de sopa de óleo de gergelim, suco de 1 laranja, 2 colheres de sopa de vinagre balsâmico e 3 colheres de sopa de shoyu. Misturar bem.

Jogar metade do molho sobre a salada e misturar. Provar o sal e, se necessário, ir acrescentando mais molho aos poucos.


Despois de temperada, cobrir a salada com a omelete e salpicar com gergelim.


Prontinho! Refrescante e deliciosa!

Bom apetite!

DICAS:

a) O aceto balsâmico pode ser substituído pelo aceto balsâmico branco. Ele é mais difícil de se encontrar e mais caro, mas tem um sabor incomparável.

b) Essa receita também pode ser feita substituindo-se o Harusame por Bifum (macarrão de arroz), embora eu prefira a textura mais gelatinosa do primeiro.

c) Pode-se usar conserva de broto de gengibre. Embora mais difícil de encontrar, é mais macia. pode ser feita em casa com a mesma receita da conserva tradicional (clique aqui).

d) Esses ingredientes são encontrados nas melhores lojas de produtos japoneses.  No caso de Brasília, tem o Nippon (207 Sul), o La Palma (404 Norte) e o Mikami (414 Sul). Às vezes, o Pão de Açúcar  e algumas barracas da Feira do Guará também vendem esses produtos.

quarta-feira, 28 de março de 2012

Próxima receita: Salada de Harusame

Você conhece Harusame?

Na próxima postagem, vou apresentar uma receita refrescante e saborosa.

Fica a fotinho:



 Bom apetite!

quinta-feira, 15 de março de 2012

A importância da diversidade na alimentação

Essa semana achei interessante a matéria que saiu na Globo sobre o aumento do risco de morte precoce decorrente do consumo da carne vermelha (clique aqui para ver).

Claro que, por não consumir carne vermelha, fiquei bem feliz de ver tal matéria veiculada no Jornal Nacional, onde não se costumam contestar os hábitos mais comuns e massificados, principalmente quando relacionado à uma das bases da economia brasileira.

De acordo com a pesquisa, "para diminuir esses riscos, os pesquisadores recomendam substituir as porções de carne vermelha por peixe, frango, verduras e legumes ricos em ferro, como feijão, lentilha e espinafre."

Particularmente, acredito que esse frango "de granja" é tão ou mais tóxico do que a própria carne vermelha, mas há muitas outras opções para se diversificar a alimentação.

Aliás, talvez seja esse um dos segredos da boa alimentação: a diversidade.

Com isso, além de diminuirmos o risco de consumir em excesso alimentos danosos à saúde e de aumentar a fonte de nutrientes, abrimos nossos horizontes a novos sabores e descobrimos a poesia dos alimentos.

E é exatamente essa a proposta do Tampopo Gourmet! Apresentar receitas comuns, diferentes ou, até mesmo, um pouco mais sofisticadas que possam trazer novos ingredientes e hábitos às mesas dos seguidores.

Experimentem!!!





Sushi



domingo, 4 de março de 2012

Pupunha

A Pupunha é uma palmeira de onde podem ser extraídos diversos produtos.

Em casa, utilizamos o fruto e o palmito.

O fruto tem uma cor bonita, que varia do verde ao alaranjado.


Pode ser comido cozido na água e sal ou utilizado em receitas de pães, tortas e pudins.


O palmito fresco é mais saboroso e saudável.



Nem sempre é fácil encontrá-lo, mas vale a pena procurar um pouco.

A forma mais simples de prepará-lo é assá-lo com azeite e sal.

Para isso, deve-se lavar o palmito. Em seguida, tirar sua parte externa e mais fibrosa.



Cortar o palmito trasversalmente ao meio e distribuir em uma assadeira. Temperar com sal e pimenta-do-reino a gosto e regar com um pouco de azeite.


Cobrir a assadeira com papel alúmínio e assar em forno pré-aquecido a 160ºC por aproximadamente 30 minutos.

Por fim, tirar o papel alumínio e assar por mais uns 10 minutos, até que o palmito esteja macio.


Pronto! Basta comer com salada ou como acompanhamento do prato prncipal.
Bom apetite!