domingo, 30 de janeiro de 2011

"Uma bebida saudável e milenar"

Nota em 11/6/2014: A Loja do Chá não possui mais filial em Brasília.

Desde criança, fui acostumada a beber chá (sem açúcar!). Por isso, hoje em dia, por incrível que pareça, prefiro muito mais beber chá a beber água. 

"Uma bebida saudável e milenar" é o título de uma matéria que saiu hoje no Jornal da Comunidade (clique aqui para ler). Vale a pena dar uma lidinha!

A Loja do Chá – Tee Gschwendner (em Brasília, fica na 408 sul), citada na matéria, além de ser charmosa, apresenta uma infinidade de chás do mundo inteiro. A loja possui um bistrô que serve os chás vendidos no local e alguns lanchinhos, como um delicioso strudel de maçã. Um dos meus chás prediletos de lá (na verdade, infusão) é o Rooitea Limão, feito a partir de um arbusto africano chamado Rooibos (Aspalathus Linearis). Não é barato, mas vale uma visita. 

Um cuidado que se deve ter ao beber chás é a quantidade de cafeína ingerida. Ela está presente nos chás da provenientes da erva Camellia Sinensis, tais como o verde, o branco e o preto. Já o Roitee é livre dessa substância.

Além dos benefícios terapêuticos, os chás proporcionam uma infinidade de sabores a serem testados e apreciados.

Enjoy it!

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Arroz Negro com Bacalhau

No final de 2010, postei a receita do Arroz de Bacalhau, agora postarei uma variação usando o arroz negro.

A base da receita é a mesma da postada com o arroz branco, com a diferença de que o tomate comum foi substituído pelo tomate sweetgrape.



Ganhei esta panelinha Le Creuset de minha mãe de presente de Natal. Linda!!!

Vamos à receita:


INGREDIENTES:

- 1 e ½ copo de arroz negro
- 350g de lombo de bacalhau ou bacalhau em lascas
- 1 cebola cortada em meia lua
- 5 dentes de alho ralados
- 180g de tomate sweetgrape
- 1 pimenta dedo-de-moça (opcional)
- Azeite Extra Virgem
- Sal
- Pimenta do reino
- Salsinha
- Vinho Branco


MODO DE FAZER:

Cozinhar o arroz negro, conforme postagem anterior (clique aqui para ver a receita). Comprar bacalhau dessalgado ou dessalgá-lo com 2 dias de antecedência (vide Dicas).

Ferver água e jogar o bacalhau, deixando-o cozinhar por aproximadamente 2 minutos, apenas para dar um leve cozimento. Reservar a água de cozimento do bacalhau.

Se o bacalhau usado for lombo, desfiá-lo em lascas não muito pequenas.

Refogar bem o alho e a cebola (e a pimenta picada, opcionalmente) em 5 colheres de sopa de azeite extra virgem. Adicionar o bacalhau.

Temperar com uma pitada de sal (pouco! - deixar para corrigir o sal mais para o final do preparo) e pimenta do reino.

Acrescentar o tomate sweetgrape picado. Picá-los ao meio ou em 4 partes.

Acrescentar o arroz negro cozido, 1/2 copo de vinho branco e 1/2 copo da água de cozimento do bacalhau. Misturar.

Verifcar o sal e deixar secar a água em fogo baixo.

Jogar a salsinha bem picada por cima.

Misturar delicadamente e desligar.



















Bom apetite!!!


DICAS:

a) O lombo de bacalhau deixa o prato bem mais saboroso do que as lascas, embora seja bem mais caro.

b) Para dessalgar o bacalhau, utilizar as dicas desse site: Dicas de Bacalhau. O autor indica o tempo necessário para dessalgue para cada tipo de apresentação do bacalhau (posta, posta alta, lascas). O desenho dos relógios indica de quantas em quantas horas deve ser trocada a água na qual o bacalhau fica de molho.

c) Opcionalmente, esse prato pode ser servido com parmesão ralado.

d) As fotos detalhadas de preparação da base do recheio são as mesmas do Arroz de Bacalhau.

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Preparo básico do Arroz Negro

O Arroz Negro é um tipo de arroz integral exótico de coloração escura e sabor acastanhado.


Pesquisando sobre ele, encontrei essa matéria que conta um pouco de sua história e resume suas propriedades nutricionais: Nutrição em Foco - Arroz Negro.

Atendendo a pedidos, colocarei aqui a receita básica de preparação desse arroz:


INGREDIENTES:

- 1 copo de arroz negro
- 2 ½ de água
- ½ colher de chá de sal


MODO DE FAZER:

Colocar o arroz, a água e o sal em uma panela de pressão e tampá-la. Deixar em fogo alto até ferver (até xiar). Em seguida, baixar o fogo para baixíssimo (conforme padrão apresentado na postagem Chamas do Fogão) e deixar cozinhando por aproximadamente 25 minutos.

Abrir a panela e verificar se o arroz está cozido. 

Se o objetivo for utilizar o arroz no preparo de um risoto, deixá-lo cozido, mas bem consistente). Caso, após abrir a panela, ainda haja água, deixar secar em fogo baixíssimo, mas sem pressão. 

Já se o objetivo for consumir o arroz cozido, sem passar por nenhum outro processo de cozimento, pode-se deixá-lo cozinhando mais uns 5 minutos na pressão.


Na próxima postagem, colocarei a receita do Arroz Negro com Bacalhau:


Bom Apetite!


DICAS:

a) Caso se queira aumentar a quantidade de arroz, colocar sempre 1 ½ copo de água a mais do que a quantidade de arroz. Dessa forma, se for fazer 2 copos de arroz negro, acrescentar 3 ½ copos de água.

b) Antes de acrescentar a água e colocá-lo na pressão, pode-se refogar o arroz com azeite e alho.

c) Esse arroz combina bastante com frutos do mar.

d) A marca que eu compro é a Ruzene. O Site Oficial possui uma série de receitas e informações nutricionais.

                                 Foto retirada do Site Oficial.

domingo, 23 de janeiro de 2011

Chamas do Fogão


Algumas receitas aqui postadas farão referência à potência das chamas a serem usadas no cozimento dos alimentos. Dessa forma, essa postagem é destinada exclusivamente a definir o padrão a ser usado nas receitas:

Fogo Alto - Trata-se da maior potência de chama que a regulagem do controle da boca do fogão possibilitar:



Fogo Baixo - Trata-se da potência de chama mais baixa da regulagem normal do controle da boca do fogão:



Fogo Baixíssimo: Trata-se de uma chama bem mais baixa, obtida por meio da regulagem do controle da boca do fogão no sentido do desligamento da chama. É a regulagem que permite a menor saída de gás:



Fogo médio: Trata-se da chama de intensidade moderada, em que a regulagem do controle da boca do fogão situa-se no meio termo entre a do fogo alto e a do fogo baixo.

sábado, 15 de janeiro de 2011

Almoço com Arroz Basmati

Encontrei o Arroz Basmati no Pão de Açúcar e fiz hoje no almoço...



A fim de provar o sabor desse arroz, preparei-o de uma forma simples: refogado no azeite com um pouco de sal:



O arroz fica bem soltinho (não que eu não goste do grudadinho, pelo contrário, também adoro), com um sabor suave e um aroma natural delicioso. Isso mesmo! Esse arroz é naturalmente perfumado, assim como o Arroz Thai.

O teste vale mesmo a pena para os verdadeiros amantes de arroz (como eu!), pois, apesar de suas qualidades, ele não deixa de ser... ARROZ!

Como "acompanhamento" do arroz basmati (já que este era o teste do dia), fiz um ensopado de pescada amarela e camarão, além de uma farofinha de dendê:


quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Você conhece o Arroz Basmati? E o Alho Negro?

Hoje um amigo me enviou uma receita que me deixou curiosa: Basmati com Camarão.


             Foto retirada do mesmo site da receita.

Eis que essa receita traz duas novidades (pelo menos para mim): Arroz Basmati e Alho Negro. 

Minha paixão por arroz é notória entre as pessoas que me conhecem... Por isso, minha curiosidade foi imediata. Inicialmente, eu o confundi com o Arroz Thai (que eu adoro, mas outro dia falaremos nele).

Fazendo uma pesquisa, descobri uma postagem de um blog que explica bem as características desse arroz (Arroz Basmati), deixando-me com água na boca. Segue um trecho da postagem de Bergamo, autor do blog:

"O arroz Basmati é um grão todo especial. É proveniente da Índia, mais precisamente dos pés do Himalaia. Seus grãos são pequenos mas bem longos e tem um aroma todo especial - para mim, bastante adocicado e agradável. Alguns livros se referem à um aroma de nozes. Tem como característica principal reter a umidade sem que fiquem grudados. Segundo Maria Lucia, a tradução literal de seu nome significa "rainhas das fragrâncias" - realmente um nome que condiz com o ingrediente."

Deve ser uma delícia!!!

O alho negro também despertou certa curiosidade. Na pesquisa, descobri que trata-se do alho comum que passa por um processo de maturação que dá as características específicas desse ingrediente.

Agora só tem um jeito: tentar encontrar esses ingredientes, prová-los e postar o resultado aqui...

Uma das belezas da culinária é que ela sempre nos lança um novo desafio! E lá vamos nós!!!

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Linguine a La Ira

Em homenagem ao aniversário da minha amiga querida Viviane, vou postar hoje uma receita simples, saborosa e rápida. Parabéns, Vi!

Na verdade, a versão das fotos tem alguns ingredientes que refinam o sabor do prato, mas a ideia central é refogar alho, tomate picado e cebolinha no azeite, acrescentar a massa cozida e temperar com um pouco de shoyo. Pronto! Super simples!

Mas vamos à versão um pouquinho mais elaborada e explicada passo-a-passo!

Rendimento: 2 pessoas.
Tempo de preparo: 15-20 minutos.




INGREDIENTES:

200g de Linguine (grano duro)
250g de tomatinhos tipo sweetgrape (os mesmos usados na receita dos Tomatinhos Temperados)
Cebolinha picada a gosto
Salsinha picada a gosto
1 pimenta dedo-de-moça picada em pedaços pequenos
3 colheres de sopa de lascas de queijo mozzarela, parmesão ou de um bom queijo de cabra
130g de alcachofra na Brasa
4 dentes de alho picados ou ralados
Shoyu a gosto
1 pitada de sal
3 colheres de sopa de azeite extra virgem


MODO DE FAZER:

Picar o tomatinho em rodelas.

Cortar a alcachofra e o queijo em pedaços maiores, como mostra a foto.



Cozinhar o macarrão conforme orientação do pacote. Reservar um pouco da água utilizada no cozimento.


Ligar a frigideira em fogo médio, adicionar 3 colheres de sopa de azeite e jogar o alho, tomando cuidado para não queimá-lo. Acrescentar os tomatinhos e a pimenta picados, aumentando para fogo alto. Temperar com um pouco (pitada) de sal e pimenta do reino a gosto. Cozinhar por uns 2 minutos. Acrescentar a alcachofra.


Em seguida, acrescentar o linguine e meio copo da água de seu cozimento. Misturar bem, com cuidado para não quebrar a massa.

Em seguida, adicionar o queijo, a salsinha e a cebolinha. A função do queijo é apenas dar um "toque" ao paladar, por isso, não é bom colocar demais.

Acrescentar shoyo a gosto, tomando cuidado para não salgar. Como já foram adicionados sal e queijo, uma ou duas colheres de sopa de shoyu costumam ser suficientes, mas é bom provar, pois a quantidade de sal presente no shoyu varia de uma marca para outra.

Misturar e desligar.


Servir com um bom azeite e queijo parmesão.


Buon Appetito!!!


DICAS:

A) O tempo de cozimento do pacote de macarrão costuma ser o tempo necessário para a massa ficar al dente. Para ficar um pouco mais macio, sem ficar mole, deixo 1 ou 2 minutos além desse tempo. Jamais quebrar o Linguine em pedaços menores na hora de cozinhar.

B) Opcionalmente, acrescentar meia taça de vinho branco assim que a massa for adicionada.

C) Para quem gostar de sabores picantes, utilizar a pimenta-de-moça com sementes. Caso contrário, retirá-las antes de picar a pimenta em pedaços pequenos.

D) Utilizei o Linguine da marca De Cecco e a Alcachofra na Brasa da marca La Pastina, ambos podem ser encontrados no Pão de Açúcar.


E) Quero registrar aqui meu agradecimento a meu grande amigo Tom pelas contribuições que ele sempre faz ao Tampopo e por ter me indicado comprar o Azeite de Oliva de Laranja da Pons. É incrível o sabor que esse azeite dá ao Linguine a La Ira. Ele custa R$ 35,00 e é vendido no Lagar - Empório do Azeite (405 Sul). Vale a pena experimentar!