quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Agrião - Um Amor Antigo

Amo verduras, a maior parte delas, mas a minha preferida é o agrião: na salada, refogado, na sopa, em tempura, são muitas as opções.

Desde que nasci, Vera Viana, minha mãe, me criou na alimentação macrobiótica. Ela conta que estava apreensiva ao me levar à primeira festinha infantil, imaginando que eu ficaria doida com aqueles salgadinhos e docinhos "irresistíveis". Ao chegar na festa, olhei para a mesa de quitutes e falei: "Mamãe, que festa sem graça... Não tem agrião!"

Desde então, nunca larguei esse verdinho.

Hoje passarei a receita de uma das minhas formas preferidas de preparo: oshitashi de agrião. Já postei por aqui a receita de oshitashi de acelga.  "Oshitashi" é uma forma de salada japonesa na qual a verdura é branqueada (passada na água fervente) antes de ser temperada com algum tipo de molho.

Esta é uma ótima forma para quem não gosta do excesso de picância do agrião cru.

Fotos de Bruno Ayub.

A receita serve 4 pessoas.




INGREDIENTES:
- 1 maço de agrião lavado
- Shoyu a gosto


MODO DE FAZER:

Colocar água (aproximadamente 3 litros) para ferver em uma panela larga.

Quando ferver, jogar metade do maço de agrião na panela, afundando-o todo na água. Deixar 30 segundos, aproximadamente, apenas o suficiente para o agrião mudar de cor, ficando bem verdinho.

Retirar em colocar em uma peneira ou escorredor de massa para escorrer o excesso de água. Repetir o processo com a outra metade do maço de agrião. Se tiver uma panela com capacidade de uns 5-6 litros de água, pode escaldar o agrião todo de uma vez só.

Deixar o agrião esfriar, pelo menos, o suficiente para conseguir segurá-lo (enxaguar em água corrente ajuda a esfriar e a evitar que as folhas fiquem amareladas). Organizar o agrião em porções, espremer o excesso de água e cortar, como nas fotos a seguir:


Colocar o agrião em uma tigela ou prato e temperar com shoyu a gosto.


Agora basta servir como acompanhamento da refeição!



Bom apetite!


A DOIDA DO AGRIÃO:

Então... A piração com a verdura é tanta que eu já elegi minha parte preferida do agrião: a parte do talo em que começa a transição para as folhas mais novas. São esses pedacinhos na parte da frente da foto a seguir... Só de olhar me dão água na boca!




terça-feira, 12 de julho de 2016

"Iogurte" Fermentado de Coco

Ano passado postei a receita do Iogurte de Coco e Frutas Vermelhas, receita da querida nutricionista Camila Freire. Várias pessoas fizeram e aprovaram!

A receita de hoje é baseada na anterior, mas utilizo o tibico (também conhecido como kefir de água) para fazer uma fermentação caseira e agregar probióticos ao "iogurte".


Foto de Bruno Ayub
 INGREDIENTES:

- 250g  de coco seco (aproximadamente a polpa de 1 coco seco grande)
- 550 ml de água
- 1 e 1/2 colher de sopa de agar agar (alga para gelatina)
- Extrato de baunilha em gotas ou a própria fava (opcional)
- 100 ml da água de kefir
- 1 limão
- 100 ml de qualquer leite vegetal












MODO DE FAZER:

Descascar o coco usando as dicas da receita do Leite de Coco Caseiro. Picar o coco e colocar no copo do liquidificador.

Leite de Coco
Aquecer 450 ml de água até que fique morna (não muito quente) e acrescentar ao coco, batendo por uns 3 minutos.

Usar um voal (ou qualquer outro pano fino e limpo) para coar o coco e extrair seu leite.

Diluir o agar agar (gelatina de alga) em 100 ml de água e levar ao fogo em uma panela pequena até levantar fervura, mexendo bem. Vai virar um creme grosso de gelatina. 

Agregar o leite de coco aos poucos, mexendo para diluir bem a gelatina. Desligar o fogo, sem deixar ferver.  Pode-se bater no liquidificador para misturar caso a diluição não seja completa. Nesse momento, acrescentar a baunilha, caso tenha optado por usá-la. O conteúdo de uma fava ou 5 gotas de extrato são suficientes (não use a essência artificial).

Esperar ficar morno (aproximadamente 45ºC) e misturar a água de kefir.

Despejar tudo em um recipiente de vidro ou plástico (prefiro usar o vidro) e tampar. Deixar em fermentando em temperatura ambiente por 8 a 12 horas. Quanto mais calor, mais rápida será a fermentação. Após esse período, guardar na geladeira.

Como resultado, teremos uma gelatina consistente (e fermentada) de coco.

Gelatina de Coco
Agora teremos algumas opções para ter um "iogurte" bem cremosinho:

a) Bater no liquidificador (ou mixer) com frutas, como foi feito na receita anterior (clique aqui) em que usei framboesa e amora.

Com Framboesa
Com Amora

b) Bater no liquidicador (ou mixer) com qualquer outro leite vegetal e suco de limão.

Neste caso, pode-se bater com leite de arroz, ou de castanha, ou de coco. A medida desta receita dá para 4 porções, de forma que eu deixo para bater a porção na hora de comer.  Segue um exemplo:

Dentro do copo de um mixer (eu prefiro o mixer, mas pode ser liquidificador), colocar 1/4 da gelatina picada em pedaços menores, sumo de 1/2 limão e 100 ml de leite de coco. É só bater até ficar bem cremosinho e pronto! Se quiser um pouco mais ralo, é só acrescentar um pouco mais de leite vegetal ou água de kefir.



É importante observar que o "iogurte" não foi adoçado. Se desejar, pode-se adoçá-lo no momento de bater com o sumo de limão ou servir com mel (ou agave) e granola, como na foto.

Fotos de Bruno Ayub


Bom apetite!!!


DICAS:

a) Se não tiver kefir, usar 550 ml de água para fazer o leite de coco e, no momento de colocar o kefir, substitua por 2 envelopes de probióticos. Geralmente, são encontrados em farmácias ou mercados de produtos naturais.

b) Como cada organismo reage de uma forma, tente reparar nos efeitos do probiótico no próprio corpo. É comum a sensação de inchaço abdominal nos primeiros dias. Com o decorrer do uso, a flora intestinal vai entrando em equilíbrio.

c) A gelatina pode ser conservada na geladeira por, aproximadamente, 5 dias. Dessa forma, fazendo-se no domingo à noite, é possível ter "iogurte" de coco a semana quase toda. Eu costumo dividir 1 porção com meu marido e ficamos satisfeitos.

d) O único problema relatado com a receita anterior foi que, no casos de algumas pessoas, a gelatina não endureceu. Isso pode ter ocorrido pela qualidade do ágar-ágar (alga da gelatina). É importante comprar uma boa marca. Infelizmente, as marcas baratas não endurecem a gelatina. Tenho observado que, quanto mais clarinho o pó, melhor a qualidade também. 

e) O coco usado para fazer o leite de coco pode ser usado para tirar um segundo leite. Basta colocar para bater com um pouco mais de água morna (apenas o suficiente para bater) e expremer bem o voal. Este leite será mais ralo, mas pode ser muito bem usado para bater a gelatina de coco, transformando em "iogurte".

segunda-feira, 2 de maio de 2016

Arroz de Forno a la Vovó Eda

Confesso que nunca fui muito fã das sardinhas... Até que, em 2013, fomos passar a lua-de-mel em Portugal.

Demos chance a esse pequeno (e forte) peixe e ele nos conquistou.

Em Portugal, é comum preparar as sardinhas em uma espécie de churrasqueira, na brasa.

Sardinhas do pequeno e tradional restaurante Cova Funda.
Além disso, há lojas especializadas em vender sardinhas enlatadas com vários temperos. São bem melhores que as conservas produzidas no Brasil. Duas lojas legais em Lisboa são Conserveira de Lisboa e Loja Portugueza.

Voltando ao Brasil, resolvi testar uma receita de arroz de forno de minha avó Eda com as sardinhas enlatadas trazidas de Portugal. Minha avó faz esse arroz desde que eu era pequena e era uma das poucas ocasiões em que eu comia sardinha.

Resultado: virou prato quase semanal nas jantas de casa! Já consegui encontrar algumas latas de boas sardinhas portuguesas no Brasil e volta e meia tenho a sorte de ganhar alguma latinha de presente de amigos caridosos que passeiam por Portugal. Também é possível fazer a própria conserva em casa. Qualquer dia, posto a receita aqui.

A receita deste arroz de forno também é ótima para aproveitar aquele resto de arroz cozido da geladeira ou o molho de tomate que sobrou da macarronada do fim de semana.



A quantidade da receita serve 2 pessoas.


INGREDIENTES:

- 1 xícara de arroz branco cozido
- 1 lata de sardinha (com ou sem pele - de preferência, portuguesa)
- 1 colher de sopa de azeite
- ¾ de xícara de molho de tomate caseiro
- salsinha a gosto

- milho refogado e/ou ervilha fresca (opcional)
- 1 pimenta dedo-de-moça (opcional)